Agencia Prensa Rural
Mapa do sítio
Suscríbete a servicioprensarural

Autoridades e meios de comunicação insistem na mentira do "protesto armado"
A repressão escuda-se na desinformação
 

A desinformação orquestrada pelo totalitarismo de Álvaro Uribe, desenhada e executada pelos meios de comunicação curvados, afirma haver uma infiltração da guerrilha na mobilização agrária e popular, com as vítimas a serem mostradas como assassinos e os protestos pacíficos de pessoas indefesas é mostrado à opinião pública como confrontação armada. A repressão e o terrorismo de Estado tentam agora justificar a crueldade e a brutalidade da segurança democrática.

As forças armadas de repressão contra o povo, sob as ordens de Álvaro Uribe, utilizando armas convencionais e não convencionais: espingardas, pistolas, bombas de gás compostas por limalhas de ferro e vidro, bombas explosivas compostas por limalha de alumínio, atrevem-se a destruir as mãos e as pernas dos camponeses mestiços, indígenas e afro-descendentes; praticam tácticas de guerra contra os indefesos, usam franco-atiradores e metralhadas indiscriminadas; tudo isto com a cobertura de conselhos de segurança e dos governos regionais, passando pela omissão dos organismos de controlo que se fazem de surdos perante a crueldade justificada pelos meios de comunicação, tergiversando a informação.

O povo colombiano exige a renúncia do presidente Uribe por ilegítimo e ilegal, sem que nenhum meio de comunicação expresse as verdadeiras razões do protesto. Os agentes da desinformação não têm a coragem dos camponeses mestiços, indígenas e afro-descendentes, para questionar o regime e aguentar a investida da repressão.

O bloqueio da entrada do porto de Buenaventura, as acções de protesto pacíficas na cidade de Santiago de Cali, as concentrações populares no quilómetro 7 da marginal, nas redondezas de Cali, a mobilização do norte de Cauca, os protestos em Papayán, os refugiados da região de Putumayo que se dirigiram para a fronteira com o Ecuador, as manifestações em San Juan de Pasto e na Guayacana sobre a ligação Pasto-Tumaco, entre outras acções de protesto heróico no sudoeste colombiano, e que se desenvolvem dentro da mobilização nacional agrária e popular convocada pela Coordenação Nacional Agrária e Popular da Colômbia; são actos pacíficos mas firmes dos camponeses, indígenas, afro-descendetes, estudantes, "viviendistas" [lutam pelo direito à habitação], professores, operários, e em geral de colombianos dignos.

Por acaso as FARC-EP não combatem diariamente pela via armada as forças do regime em todo o território nacional? Por acaso as FARC-EP renunciaram às armas? Há, por acaso, feridos de armas de fogo nas fileiras das forças repressoras, em resultado dos confrontos?

Para nenhuma pessoa com uma inteligência mediana é concebível que as FARC-EP decidam defender-se com pedras e garrotes de uma investida armada das forças especiais do exército e da polícia que têm vindo a declarar os funcionários do Estado e os meios de comunicação ventríloquos dos mesmos. Os meios de comunicação e os funcionários do estado que se encarregaram de propiciar o cenário para deixar as comunidades em situação de risco, ao apontá-los como guerrilheiros, são responsáveis por qualquer situação que possa acontecer com as vidas dos manifestantes.

A isto soma-se a tímida resposta dos representantes da comunidade internacional e máximos supervisores da responsabilidade dos Estados relativamente ao Direito Internacional e aos Direitos Humanos, e os organismos institucionais de promoção e prevenção dos Direitos Humanos, supostos guardiães dos Direitos Fundamentais dos Colombianos.

As comunidades camponesas e populares mobilizadas nacionalmente, e que superam as 80000 pessoas, dão um exemplo de dignidade ao mundo, reafirmam a grandeza e a firmeza de um povo que não se deixa escravizar na infâmia.

Pela renúncia de Álvaro Uribe Vélez

Pela defesa do território e da soberania nacional.

Pelo direito de autodeterminação dos povos.

Contra as políticas estatais de aniquilamento da economia camponesa e indígena.

Pelo acordo humanitário.

Por um governo democrático de ampla participação popular.

Contra o Tratado de Livre Comércio e as multinacionais

Comissão de Comunicações do Processo de Unidade Popular do Sudoeste Colombiano

Texto traduzido para português por Alexandre Leite. (http://investigandoonovoimperialismo.blogs.sapo.pt).